DIRETRIZES PARA UM MODELO DE CULTURA DE RISCO

Diogo Rodrigues Pinheiro, João Souza Neto, Tomás Roberto Cotta Orlandi

Resumo


Na atualidade, as preocupações sobre riscos nas organizações estão voltadas para a cultura de riscos. Tais preocupações surgiram a partir das grandes crises evidenciadas pelas divulgações de falhas de conduta ao nível global. Especialmente após a crise financeira de 2008, diversos problemas culturais e organizacionais foram reconhecidos como fonte de riscos, desempenhando um papel notório para o início da crise. Percebeu-se, então, que cada colaborador deve estar alinhado à cultura de risco organizacional, bem como estar ciente das respectivas contribuições à estrutura de riscos da organização. Isto posto, a cultura de risco dos funcionários em uma organização tem de ser avaliada. Amparado nesta problemática e para melhor implementar uma cultura de risco, a presente pesquisa tem o objetivo de analisar, por meio de uma revisão bibliográfica, nos âmbitos acadêmico e profissional, o estágio em que se encontram as discussões e proposições sobre os modelos de cultura de riscos nos últimos cinco anos. Mediante a perspectiva e cenários encontrados nesta pesquisa, bem como a abordagem dos autores sobre esta temática, este trabalho propõe o desenvolvimento de um novo modelo de Cultura de Riscos baseado no resultado de pesquisa com especialistas no tema, opinando sobre quais requisitos são os melhores princípios e dimensões abordados num modelo de cultura de riscos.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexing:

       
   
   
   
ISSN: 2358-8411 
 

 This work is licensed under a Creative Commons License Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.